Rock'n roll suicide

O tema da semana foi "cinebiografias". Encarei duas de uma vez só:



A primeira foi Sid & Nancy, história do ex-baixista viciado do Sex Pistols, Sid Vicious, e sua namorada - Não menos viciada - Nancy Spugen. Filme meio exagerado, punk demais. Se bem que tinha que ser assim mesmo. Sid Vicious era um poser que não sabia tocar nada, Nancy era uma groopie aproveitadora e ambos viviam no auge do movimento punk, ou seja, apesar da tragédia no final, a história não segue uma linha mais "séria", pecando pelo excesso. Como tenho uma "quedinha" por filmes junkies, até que não desagradou tanto.



A segunda cinebiografia da da noite foi bem mais interessante: Control, do fotógrafo Anton Corbijn e que conta a história de Ian Curtis, atormentado vocalista do Joy Division.

Diferente do primeiro filme, Control é mais fiel ao lado humano do "mito", digamos assim, com uma lindíssima fotografia em preto e branco e atores que não são apenas muito parecidos, mas que dão a interpretação correta, sem exageros.

Sam Riley está idêntico ao Curtis (Embora, Natalie Curtis, a filha, diga o contrário em entrevistas por aí) Os próprios atores aprenderam a tocar e cantar as músicas, e em vários momentos parece que é a banda "de verdade" que está lá. O roteiro, adaptado do livro "Touching from a distance" da viúva Deborah Curtis é grandioso na sua simplicidade. Limita-se a contar a história de um cara muito jovem e talentoso, mas que infelizmente perdeu o controle. Uma homenagem bem feita e um presente pros fãs. já entrou pra minha lista pessoal de favoritos. (Nem preciso falar que tenho uma "quedona" por Joy Division, né?)

Destaque para a trilha sonora (E tem gente que ainda acha ruim esse "revival" pós-punk).

7 comentários:

Chantinon disse...

Filmaço!!!!
Falta agora uma seqüencia contando a historia do New Order, que é pura bagaceira também :)

Nica disse...

Zentem, onde é que tá passando esse treco?!:O

---

O Cheiro de Deus tá mais pra nome de filme do Buñuel. Ou livro do Lorenço Murareli. Tchipo, "O cheiro do ralo de deus". hehehehehe

Júnior Puccinelli disse...

Muito legal seu blog! ótimo conteúdo e falando em música me consquistou.
juniorpuccinelli.blogspot

bonodavi disse...

Eu ainda quero ver Sid & Nancy, só li algumas loucuras deles, deve ser um filme interessante mesmo, você tem bom gosto, Joy Division é demais mesmo!

John Leão disse...

Não é em Sid & Nancy que a bagaceira-mor Courtney Love estreiou nas telas (antes de passar pelas diversas lipofunilarias da vida)?
Muito legal teu blog...
Vc escreve bem pacas...

John Leão disse...

Putz...
No comment acima onde se lê "estreiou" leia-se "estreou"... Maldita vodka...;)

Leo. disse...

Trilha sonora perfeita. Falando nisso: Rock'n roll suicide, belissima música de Bowie, está no meu top 10.
Ótimo blog, Luci. Textos divertidíssimos. Está escrevendo muito bem... =)